Foto: Divulgação

Em Manaus, os noticiários mostram diariamente o que já se tornou de forma negativa parte do cotidiano manauara, constantes assaltos a mão armada em transportes coletivos, a qualquer hora do dia. De acordo com a Secretaria de Estado de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), no primeiro bimestre deste ano, houve uma redução de 8% nos casos de roubo a ônibus do transporte coletivo em Manaus. Os dados são do Centro Integrado de Estatística de Segurança Pública (Ciesp) da SSP-AM. 

Já nos últimos três meses, o Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram), divulgou que no  último  trimestre, ocorreram 318 assaltos, sendo o mês de abril o de maior incidência com cerca de 121 registros. 

Mesmo com o número de queda nos índices de assaltos, afirmado pela SSP, a população alega que não é bem isso que tem enfrentado todos os dias. É o caso do jovem Daniel Feitosa, designer que passou por um episódio traumatizante em um assalto na linha 560.  

“Eu estava voltando pra casa do terminal 4 para o Nova Cidade, então eu peguei o 560, quando chegou na altura do Jardim Botânico foi anunciado o assalto, mas eu estava de fone e distraído e não percebi que tinha sido anunciado, não foi levada nenhum pertence, mas eu recebi uma facada na altura do peito esquerdo. Não cheguei a fazer boletim de ocorrência por que não levaram nenhum pertence meu”.

Ser exposto a situações como a do jovem Daniel, que pode causar traumas, estresses e até mesmo receio de vivenciar essa experiência negativa. O jovem expõe quais os problemas tem enfrentado após o seu fatídico dia.

“Nunca mais peguei o 560, sempre me assusto quando alguém dentro do ônibus se levanta muito rápido ou tem movimentações mais bruscas. Logo depois do assalto ainda tive bastante crises de ansiedade, porque sempre fazia o mesmo trajeto, ainda fiquei um tempo indo trabalhar de Uber, mas teve um momento que não deu pra arcar com esses custos, então comecei a rodar de transporte executivo dentro do bairro, dou preferência para usá-lo. Mas também já fui assaltado no transporte executivo, mas não foi violento como no 560”, finaliza o designer.

Para a especialista Goreth Rubim, professora e mestra em Segurança Pública. Câmeras de segurança e um bom e velho policiamento ostensivo são uma das receitas eficazes quanto ao números de assaltos no transporte público na capital amazonense.

“A sociedade manauara precisa de mecanismos de apoio da Secretaria de Segurança Pública no combate à prática de roubos e furtos nos coletivos e paradas de ônibus. Dentre as medidas que devem ser adotadas, destaca-se a importância do aumento do policiamento ostensivo, nos locais em que mais ocorrem esses tipos de delitos. Além da utilização de câmeras de segurança dentro dos transportes coletivos e nas paradas de ônibus para que se possa identificar quem são os indivíduos que atuam de forma insistente na prática de roubos e furtos dentro dos ônibus e nas paradas de transporte coletivo”.

A especialista disse em entrevista qual a sua concepção quanto a melhor forma de diminuir a criminalidade nos transportes públicos. 

“A segurança pública na cidade de Manaus precisa de apoio governamental para o desenvolvimento das atividades policiais, como por exemplo, circulação de novas viaturas, implementação de câmeras de segurança em locais que mais acontecem delitos, melhora na iluminação em locais públicos escuros; incentivo aos policiais em participação de cursos de atualização em segurança pública; nomeação dos policiais militares e civis aprovados no último concurso público; implementação de política públicas sociais para inibir o aumento da criminalidade, voltadas a educação e a inclusão no mercado de trabalho”.

A professora finaliza dando dicas de como a população pode se prevenir contra esses tipos de crimes tanto em paradas de ônibus quanto nos coletivos. 

“A população manauara pode contribuir na prevenção de crimes roubos e furtos tomando as seguintes medidas: não ficar com o celular exposto nas ruas, principalmente nas paradas de ônibus; utilizar bolsas sempre na parte da frente e próximo ao corpo; evitar de andar e expor grandes quantias em dinheiro; evitar expor a utilização de aparelhos eletrônicos nas ruas e dentro dos ônibus; comunicar a delegacia competente através do boletim de ocorrência, para que seja instaurado procedimento policial sempre que tiver sido vítima de crimes de roubo ou furto, para que se busque a identificação dos autores do delito”, concluiu a especialista em Segurança Pública.

O que diz a Secretaria de Segurança Pública do Estado do Amazonas?

A partir de uma determinação do secretário de Segurança Pública do Amazonas, General Carlos Alberto Mansur, os roubos aos ônibus passaram a ser monitorados por um ponto focal liderado pela Secretaria Executiva Adjunta de Operações (Seaop).

O secretário da Seaop, Coronel César Andrade, destacou que a partir deste monitoramento são definidas as estratégias exitosas.

“A partir daí, sugerimos melhores ações e operações, focando nos horários, locais e dias da semana com maior possibilidade de se efetuarem as prisões dos infratores. Ressalto a necessidade de se fazer o registro das ocorrências para que o setor de estatística gere informações suficientemente confiáveis para a melhor tomada de decisão”, informou o coronel.

Além das ações ostensivas, a SSP-AM periodicamente é realizada uma reunião com os pontos focais para analisar os indicadores criminais e determinar ações de combate de acordo com o levantamento das áreas com maior incidência de ocorrências. A SSP-AM reforça a importância da população denunciar por meio do Disque 181, as práticas criminosas.

*Por Karleandria Araújo.