‘Sítio do PicaPau Amarelo: O Musical’ estreia em Manaus

Sítio do PicaPau Amarelo
Foto: Mateus Araújo/Amazônia Press

Atravessando gerações, um musical baseado no Sítio do PicaPau Amarelo, uma das obras mais notórias do escritor Monteiro Lobato, será apresentado no próximo domingo (13), a partir das 17h, no Teatro Manauara. 

Na última sexta-feira (04), parte do elenco do espetáculo ‘Sítio do PicaPau Amarelo: O Musical’, da Cia. Espatódea Trupe, esteve presente no programa de rádio Amazônia Press No Ar para contar todo o processo criativo do musical que, após 9 meses de trabalho, se prepara para a sua estreia.

“É muito gratificante ver o retorno do público, ver as pessoas querendo assistir. É uma obra importante que marcou a infância de todos”, relatou a atriz Kaylane Janez, que interpreta a falante e destemida boneca de pano Emilia. Além disso, a atriz falou também sobre a pouca valorização da sociedade acerca da arte como um todo.

“Nos tempos que estamos vivendo, de censura, é muito difícil mantermos uma garra para continuar. A nossa força tem que se basear nas coisas ruins que vem acontecendo. é muito importante as pessoas valorizarem a arte, o nosso trabalho, porque não é fácil se manter nesse meio que é o teatro de palco”, disse.

Lucas interpreta o Doutor Caramujo, que faz com que a Emília fale, e o aventureiro Pedrinho. O ator descreveu a sensação de representar dois personagens no musical.

“O musical é uma oportunidade maravilhosa. Sempre gostei de teatro, desde pequeno. O Sítio é uma obra que atravessou gerações. Uma coisa que gosto muito no teatro é que ele mexe com a emoção do público. A nossa diretora sempre fala que nós somos um livro de memórias vivas, pois além de mantermos esse trabalho e toda essa história do Sítio do Picapau Amarelo na memória do público, também mantemos para outras gerações. Crianças que não tiveram todo esse contato com a série ou até com os livros, vão ter a oportunidade de assistir no teatro o espetáculo”, declarou.

A atriz Vânia Serrão Rosas, que está no ramo teatral há cerca de 26 anos, contou sobre o preconceito sofrido por ela por pessoas de fora da companhia. “As pessoas me olham e não acham que eu possa ser atriz por conta da idade. Muitas acreditam que para fazer teatro é preciso ser criança, adolescente ou jovem abaixo dos 30 anos. Você tem que fazer o que ama. Sou maquiadora, teóloga e o teatro, para mim, não é uma escapatória, mas sim um complemento daquilo que hoje eu faço”, explicou a atriz que interpreta a vilã Cuca.

A jovem Ana Clara representa a Narizinho e revelou com entusiasmo sensação de estar em uma apresentação teatral pela primeira vez. “Sempre me inspirei na minha irmã [Kaylane], porque desde pequena ela fazia teatro e eu já gostava, mas nunca tive coragem de entrar. Quando a nossa diretora me chamou, fui e gostei demais”.

O espetáculo foi adaptado e dirigido pela diretora administrativa da Cia. Espatódea Trupe, Emille Nóbrega e conta também com a atuação de Emília Pontes (Tia Nastácia), Guilherme Bindá (Visconde de Sabugosa), Gabriel Martins (Pesadelo e Mestre Sapo), Gely Alves (Dona Benta), Rayana Fortes (Dona Aranha), Cairo Vasconcelos (Saci, Príncipe Escamado e Rabicó).

Os ingressos podem ser adquiridos nos stands Alô Ingressos ou na bilheteria do local.

O Amazônia Press no Ar é ao vivo, das 18h às 19h, com transmissão pela rádio FM 89.3, e pelas Lives nas redes sociais. Para saber mais, confira a entrevista completa na íntegra.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here