24 C
Manaus, BR
28 de outubro de 2020
Artigos Pastores Edson e Lenir

Paralisar os caminhões para mobilizar a nossa mente

Algum tempo atrás, num retiro espiritual para crianças, da nossa antiga denominação, na hora do almoço chamamos um irmão para fazer a oração dando graças a Deus pelo alimento. O irmão começou a oração lembrando da importância do alimento e do nosso desprezo e desinteresse pela origem deles. Ele orou pelo homem que, com chuva ou com sol, frio ou calor, enfrentava a lida derrubando o mato, preparando a terra, semeando e aguardando os primeiros rebentos de brotos surgirem da terra, salpicando de verde o amarelado chão. Este homem que, enquanto olhava o céu à procura de nuvens que trouxessem chuvas para regar a plantação, arrancava com as mãos as ervas daninhas que se infiltravam no plantio, enxotava os pássaros que aproveitavam a abundância para pastar. Já se iam mais de trinta minutos de oração, as crianças impacientes pela fome e torturadas pelo cheiro da comida e o irmão continuava a detalhar o homem do campo. Nada passou despercebido naquela oração. O irmão falou da camisa xadrez desbotada e remendada, do chapéu de palha com a aba já desfiada, da calça surrada de cor cáqui, mais pela sujeira da terra do que pelo tingimento natural do tecido, das unhas estilo francesinha na cor preta, das mão duras calejadas pelos cabos das ferramentas de trabalho. Mesmo cansadas e ansiosas pela comida, quando o irmão afinal disse o amém, foi seguido por todos os presentes. Foi o amém mais amém da minha vida e também o mais sonoro. Enfim a comida foi servida. Só que as crianças não avançaram no prato, como seria de se esperar que fizessem. Elas ficaram por alguns segundos olhando para aquela comida como se o prato fosse uma tela e estivesse passando um programa Globo Rural. Se a Bíblia declara que a oração de um justo pode muito em seus efeitos, essa oração teve um efeito imediato: não sobrou um grão de arroz nos pratos. As crianças entenderam e começaram a dar valor ao alimento.

É isso que está acontecendo com a paralisação dos caminhoneiros, até então, analfabetos que não tiveram opção na vida e passaram a dirigir caminhão, trafegando irresponsavelmente pelas rodovias com o único propósito de atrapalhar a nossa vida, nos matando aos poucos com a fumaça preta das descargas dos seus caminhões velhos. Só que não. Com a paralisação dos caminhoneiros descobrimos que não podemos viver sem eles e até mudamos o discurso: FORA TEMER, INTERVENÇÃO DOS CAMINHONEIROS JÁ.
Caminhoneiro – PX 1 – G – 3473.

Edson e Lenir de Jesus – São Pastores da Igreja Batista Bíblica de Flores – Uma Igreja de Poder – Manaus – AM.

Publicações Relacionadas

Um dia para ter consciência

Francisco Araujo

Mundo pet: Crianças e animais…

Francisco Araujo

Vida de adoração

Francisco Araujo

Deixe um comentário

WhatsApp chat