Em visita oficial até quarta-feira (15) na Eslováquia, o papa Francisco fez um apelo, nesta segunda (13) por uma “fraternidade” que atravesse fronteiras na Europa, no momento em que o Velho Continente busca reativar sua economia após a pandemia da Covid-19.

“Fraternidade é do que precisamos para promover uma integração cada vez mais necessária”, disse o papa argentino ao falar perante as autoridades políticas e civis da Eslováquia, aonde chegou no domingo após uma escala na Hungria.

“Esta (fraternidade) é urgente agora, num momento em que, depois de meses muito duros de pandemia, se apresenta, junto com muitas dificuldades, uma esperada reativação econômica, favorecida pelos planos de recuperação da União Europeia”, afirmou.

No início do ano, a Eslováquia registrou uma das mais altas taxas mundiais, por habitante, de contágio e de mortalidade por covid-19. Desde a propagação do coronavírus, este pequeno território de 5,4 milhões de habitantes acumula mais de 12.000 mortes.

Francisco se referiu à história da Eslováquia como uma “mensagem de paz”, destacando o nascimento “sem conflitos” de dois países independentes há 28 anos: a República Tcheca e a Eslováquia.

“Que este país (…) reafirme sua mensagem de integração e de paz, e que a Europa se distinga por uma solidariedade que, atravessando as fronteiras, possa levá-la de volta ao centro da história”, pediu.

Em novembro de 2020, o sumo pontífice publicou uma encíclica intitulada “Fratelli tutti” (Todos Irmãos). Nela, clama por um mundo mais solidário com os mais fracos para romper o “dogma neoliberal”.

Nesta segunda-feira, Francisco reiterou que, em um mundo totalmente interconectado, “ninguém pode se isolar, seja como indivíduo, ou como nação”, o que é, no seu entender, a grande lição da pandemia da covid-19.

Fonte: Uol