29.5 C
Manaus, BR
7 de maio de 2021
Artigos Pastores Edson e Lenir

O vocacionado e a santificação

1 Pedro 2:1-5
Deixando, pois, toda a malícia, e todo o engano, e fingimentos, e invejas, e todas as murmurações,
Desejai ardentemente, como meninos novamente nascidos, o leite racional, não falsificado, para que por ele vades crescendo;
Se é que já provastes que o Senhor é bom;
E, chegando-vos para ele, pedra viva, reprovada, na verdade, pelos homens, mas para com Deus eleita e preciosa,
Vós também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por Jesus Cristo.

INTRODUÇÃO:
Uma das principais características do vocacionado é a enorme necessidade de agradar a Deus, sendo por fazer alguma coisa pela obra, sendo pela dedicação no estudo da palavra, sendo pela necessidade de estar sempre em louvor e adoração.
O vocacionado está sempre declarando que sente falta de Deus, sente sede e fome da Sua palavra e começa a andar numa linha imaginária, traçada por ele mesmo, que nem sempre leva à presença de Deus, ou nem sempre o satisfaz e o nome disto é santificação.
Somos filhos de Deus e não tem nada de errado pretendermos ser iguais a Ele. Até por que, o Apóstolo Paulo em Efésios 5:1 diz: Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados. O Apóstolo está nos estimulando a termos a mesma conduta santa, pura, íntegra, justa, que Deus tem.
Para isto, precisando extrair, do texto acima, as verdades que nos ajudarão nesta longa, difícil e espinhosa estrada que nos leva à santificação, sem a qual ninguém verá a Deus. E para a nossa melhor orientação, vamos nos utilizar de três importantes verbos: Deixar, desejar e chegar.

O PRIMEIRO VERBO – DEIXAR – Deixando, pois, toda a malícia, e todo o engano, e fingimentos, e invejas, e todas as murmurações.

MALÍCIA – A malícia é o antônimo de inocência. Ela é cultural e não nos é nata e sim imposta. Quer dizer, não nascemos maliciosos; a malícia vai sendo colocada na nossa vida, muitas vezes de forma inocente, ou no intuito de proteger, pelos nossos pais e pelas pessoas que tem influência direta na nossa vida.
Frequentemente ouvimos alguém dizer: Fulano é muito bom, não tem maldade nenhuma. Isso, para o mundo de hoje soa como se aquela pessoa fosse boba, abestalhada.

Ensinamos as crianças a não falar com estranhos, a desconfiar de tudo. Sem querer, ou pelo menos querendo preservar a integridade física e emocional, vamos incutindo a malicia, a maldade nas crianças.
Jesus nos ensina que para entrarmos no reino de Deus precisamos nos tornar como um menino. Jesus está justamente falando de pureza, inocência.

ENGANO – Hoje existem dois evangelhos distintos: um verdadeiro e outro cômodo.
– O verdadeiro exige uma vida de rendição, de sacrifícios e de negação. O próprio Jesus, em seu convite, deixa muito claro duas coisas: PRIMEIRA – A não obrigatoriedade. “Aquele que quiser” e em SEGUNDA – O preço. Negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me.
– O cômodo – Diz que a graça nos eximiu de qualquer preço. Agora, podemos viver de qualquer jeito, andar de qualquer jeito, sem precisarmos negar nada e sacrificar nada. Uns até acrescentam que a graça é substituição e supera qualquer sacrifício.
Claro que estes sacrifícios não podem ou não devem ser deliberados ou enumerados pela igreja. É obra exclusiva do Espírito Santo de Deus em cada pessoa, em cada vida, em cada coração.
Mas tenhamos cuidado com o engano.

FINGIMENTOS – O ser humano tem uma capacidade enorme de fingir. Fingimos que somos felizes, que somos santos, que somos ricos e podemos até fingir que somos homens e mulheres de Deus, cheios do Espírito Santo. Fingimos até que amamos.

O perigo do fingimento é que a Bíblia nos ensina que um abismo trás outro abismo. Fingimos e para manter as aparências, continuamos a fingir e fingimos cada vez mais.
Chega uma inevitável hora, que nos deparamos conosco mesmos e descobrimos que somos uma farsa. Nossa inteligência é uma farsa, nossa felicidade é uma farsa, nossa religiosidade é uma farsa.
Quando esta hora chegar, correremos o maior risco, que é o de fingirmos que aquilo não é verdade e que a situação está sob controle.
Fatalmente as pessoas mais próximas vão nos abandonar por se sentirem traídas, enganadas. Só nos resta o espelho e as orientações sábias e em amor do Espírito Santo de Deus.

INVEJA – Segundo um grande pastor e amigo, todos nós somos invejosos. Uns declarados e outros disfarçados (fingimento).
O declarado tem a sua vida sempre guiada pela vida do vizinho. Se o vizinho compra um carro popular, zero km, você faz tudo para vender o seu chevette velho (redundância), para comprar um carro novo também, só para mostrar para o seu vizinho que não é só ele que pode.

O disfarçado disfarça a sua inveja sob um manto de auto avaliação, autocrítica. Então, se o vizinho compra um carro novo ele ora e pergunta a Deus aonde ele está errando, pois se o vizinho que é um ímpio pode, por que é que ele não pode.
A ideia é aceitarmos que somos invejosos, pedirmos de Deus que nos liberte desta inveja, nos fazendo saber qual é a Sua boa, perfeita e agradável vontade para a nossa vida.

MURMURAÇÃO – Deus não tolera o murmurador. O murmurador, além de não aceitar o projeto de Deus para a sua vida, não confia em Deus e ainda tem a petulância de achar defeito nas coisas que Deus criou e que Ele mesmo declarou que eram boas.

O SEGUNDO VERBO – DESEJAR – 1 Pedro 2:2-3 – Desejai ardentemente, como meninos novamente nascidos, o leite racional, não falsificado, para que por ele vades crescendo;
Se é que já provastes que o Senhor é bom.

Como falei lá na introdução deste sermão, o vocacionado tem um desejo enorme que conhecer e ter intimidade com Deus. E o próprio versículo nos dá algumas direções:
– Desejar ardentemente – Precisar desejar muito, se esforçar ao máximo, se entregar, se render.
– Como meninos – Com um coração puro. Não para aparecer. Não é vaidade, é compromisso.
– O leite racional, não falsificado – Precisamos ser muito racionais. Principalmente agora, com as igrejas cada vez mais supersticiosas, místicas e ocultistas. Precisamos provar os espíritos. Não permitir que estas doutrinas malignas venham invadir nosso coração como uma erva daninha invade e acaba por matar a árvore.
– Para que vades crescendo – Claro que às vezes o nosso crescimento não acompanha a nossa vontade de crescer. Mas está claro que o crescimento não é instantâneo, é gradual e leva tempo e dá trabalho.
– Por fim, o versículo 3 lança uma dúvida tremenda: Se é que já provastes que o Senhor é bom.
Não está tratando de uma certeza, de uma convicção. Está falando de testemunho. Você precisa saber que o Senhor é bom, não pelo que lhe disseram, mas por um testemunho pessoal.

E O TERCEIRO VERBO – CHEGAR – SE, chegando-vos para ele, pedra viva, reprovada, na verdade, pelos homens, mas para com Deus eleita e preciosa,
Vós também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por Jesus Cristo.

De vez em quando acho que os apelos que fazemos nos cultos meio fora de propósito. Deveríamos, ao invés de perguntar quem quer aceitar a Jesus, perguntar quem quer seguir a Jesus.
Chegar a Ele, estar junto dEle, andar com Ele. Precisamos melhorar a nossa compreensão quanto a isto. Jesus não nos convida a sermos crente, a sermos membros de igreja, a termos uma religião, a termos uma denominação. Jesus nos chama a irmos até Ele, a estarmos juntos dEle, a caminharmos com Ele.
Ele quer que sejamos a continuação do Seu ministério terreno. Ele quer que sejamos Ele.

CONCLUSÃO:
Não é que Deus exija que sejamos santos. Ele nos dá o privilégio de sermos justamente como Ele é: Porquanto está escrito: Sede santos, porque eu sou santo. 1 Pedro 1:16.
Mas precisamos de algumas firmes atitudes. Precisamos desejar ardentemente, precisamos fazer morrer o velho homem e nos revestirmos de Cristo.
E o Deus de toda a graça, que em Cristo Jesus nos chamou à sua eterna glória, depois de havemos padecido um pouco, ele mesmo vos aperfeiçoe, confirme, fortifique e estabeleça.
A ele seja a glória e o poderio para todo o sempre. Amém.

1 Pedro 5:10-11

Edson e Lenir de Jesus – São Pastores da Igreja Batista Bíblica de Flores – Uma Igreja de Poder – Manaus – AM.

Compartilhe esta mensagem com os seus amigos. Isto também é vocação.

Publicações Relacionadas

Teologia da prosperidade

Francisco Araujo

Artigo: Para recuperar a economia

Francisco Araujo

A ressurreição

Francisco Araujo

Deixe um comentário

WhatsApp chat