25 C
Manaus, BR
3 de junho de 2020
Especiais

‘O poder do perdão’: psicóloga Nazaré Mussa explica a importância desse ato de autoconhecimento

Nazaré Mussa

O programa Amazônia Press No Ar desta quarta-feira (18) recebeu a psicóloga Nazaré Mussa, que abordou sobre a importante temática do perdão: da necessidade de perdoar e de pedir perdão.

Para a psicóloga, antes de qualquer ato de perdão é preciso que o indivíduo passe por um processo para que o ato seja feito por completo. Diante disso, ela levanta a questão do ‘eu ideal’ e do ‘eu real’. O ‘eu ideal’ é aquele que, dentro de um ambiente social, aparenta perdoar e esquecer com facilidade. Já o ‘eu real’ é revelado na intimidade, onde diz que não consegue esquecer do ocorrido.

“O perdão só pode ser feito quando você realmente dá uma nova roupagem a situação que você vivenciou. É muito fácil alguém chegar e dizer que você tem que perdoar. Só que nós temos as nossas crenças e diante disso, temos dificuldade de perdoar. A bíblia fala que nós temos que perdoar e ela está certa, isso é muito importante. Só que nós somos egoístas, vaidosos, olhamos só para os nossos problemas e temos a dificuldade de perdoar. O perdão que Jesus nos ensina é aquele perdão que liberta, e quando o perdão nos liberta, nós ficamos leves e aí sim o perdão é verdadeiro”, destacou Nazaré Mussa.

“Como é que eu posso perdoar?” é um dos questionamentos mais levantados por quem tem dificuldade de fazer isso, por conta do ato ser visto como um sinônimo de fraqueza. Por mais que as pessoas saibam que perdoar é liberdade, fazer com que isso aconteça é difícil. “O perdão é um processo. Para trabalhar o perdão é necessário trazer o problema para fora, nem que seja para falar com você mesmo”, disse a psicóloga.

É difícil perdoar?

O perdão é um conjunto de fragmentos que envolvem muitos questionamentos, e olhar o problema como um todo pode ser prejudicial para a resolução dele. Fragmentar o problema torna o processo mais fácil. “É necessário você pegar um problema e fragmentá-lo. Quando você olha o problema como um todo ele parece um monstro na sua frente. Por mais que alguém tenha agido errado, é importante fragmentar para tentar enxergar o que o motivou a fazer determinada coisa”, relatou.

Diante desse questionamento, Nazaré ressaltou a importância e necessidade de ter empatia em qualquer situação. “Quando eu começo a tentar me colocar no lugar do outro, eu entendo as motivações. Ou seja, o conjunto onde esse cidadão está inserido. Começo a entrar nessa particularidade que é dele e fragmento para tentar entendê-lo. A partir disso, eu entendo o outro como ser humano em processo evolutivo. Estamos todos em processo”.

E pedir perdão?

Pedir perdão é visto com frequência como significado de fraqueza, por mexer com o orgulho próprio e a dificuldade de reconhecer um erro. O ato é de autoconhecimento e não de humilhação.

“É difícil pedir perdão principalmente quando não nos conhecemos. O autoconhecimento é de fundamental importância, pois ele sinaliza o que você faz e quais são as importâncias de uma mudança de comportamento para não cometer os mesmos erros. A pessoa pede perdão, você perdoa e isso tende a se repetir caso a pessoa não se conheça, criando um círculo vicioso, pontuou.

O Amazônia Press no Ar é um programa transmitido pela rádios FM 89,3, nas segundas, quartas e sextas. Para saber mais, confira a entrevista completa na íntegra:

ENTREVISTA COM DRA. NAZARÉ MUSSA (PSICÓLOGA)

Transmissão ao vivo do Programa Amazônia Press no Ar

Posted by Amazônia Press on Wednesday, March 18, 2020

Publicações Relacionadas

Especial Maués – Parte 2

Conceição Melquiades

ESPECIAL DIA 13 DE FEVEREIRO: DIA MUNDIAL DO RÁDIO

Fabiane Monteiro

“Já estava quase desistindo” diz amazonense Juliana Malveira, vencedora do Miss Brasil 2019

Fernanda Lopes

Deixe um comentário

WhatsApp chat