O cego de Niterói e o ministério pastoral

Edson e Lenir de Jesus – São Pastores da Igreja Batista Bíblica de Flores – Uma Igreja de Poder – Manaus – AM.

Lá pelos idos dos anos de 1974, eu morava no Rio de Janeiro, na Avenida Augusto Severo, na Glória, e estudava em Niterói. Todos os dias eu utilizava os serviços da balsa que faz a travessia entre o Rio e Niterói e vice versa. Diante disso, comecei a observar um cidadão que era cego e coincidentemente fazia a travessia nos mesmos horários que eu. Um dia, quando a balsa já se aproximava do píer da Praça XV, no Rio, este cidadão levantou-se e pôs-se a caminhar rumo à proa da balsa e eu mesmo desesperado, me reservei em só acompanha-lo. Quando faltava pelos menos um metro para encostar, o cidadão fez menção de dar um passo à frente, pelo que não me contive e o segurei pelo braço. Ele gentilmente agradeceu-me e disse que não precisava da minha ajuda, pois já fazia este trajeto há mais de vinte anos. Visivelmente constrangido em me chamar a atenção, continuou tentando minimizar a sua atitude dizendo: Gostei da sua preocupação, mas aprenda a guiar um cego. Você deve evitar segurá-lo. Basta colocar a sua mão em seu ombro e ele vai entender todo o seu comando. Estas últimas palavras serviram para abrandar a raiva de um menino de dezenove anos que acabara de ser corrigido por um cego ingrato e estas palavras ainda ecoam na sua mente até hoje.

O tempo passou e o Senhor me chamou para o ministério pastoral que na sua essência, é o ministério de guiar pessoas. Pois bem, esta semana li um post que está circulando pelo Facebook , que diz: Um pastor cuida de quem permite ser cuidada; alimenta quem permite ser alimentada e pastoreia quem permite ser pastoreada. Será? Eu tenha cá as minhas dúvidas. O episódio com o cego de Niterói me mostrou que boa vontade não é tudo, precisamos de um mínimo de conhecimento. Quantas vezes ouvi pastores falar que “sentam” o cajado nas ovelhas, como se o cajado fosse um instrumento de tortura e não de consolo? Jesus foi muito claro quando disse que as ovelhas ouvem a voz do seu pastor e o seguem. As ovelhas são de última geração e já vem com comando de voz.

Mais uma vez, o episódio com o cego me mostrou que pastorear é desenvolver a capacidade da confiança, como na relação entre o cego e o seu guia, que bastava que colocasse a sua mão em seu ombro e ele entenderia todo o seu comando. Isso mostra não somente a responsabilidade do pastor como um guia, desviando dos obstáculos, evitando os perigos e levando ao lugar certo, como mostra a confiança da ovelha, sua sensibilidade e a sua disposição em obedecer aos comandos.

Todos os dias ouço a voz do Senhor a me perguntar: Edson, tu me amas? Então apascenta as minhas ovelhas. Deixando muito claro que a vida pastoral é alicerçada no amor do pastor pelo nosso sumo pastor, o Nosso Senhor Jesus Cristo e que as ovelhas não são nossas e sim d’Ele.

Bendito seja Deus que nos uniu no amor de Cristo!

Edson BB de Jesus – É Pastor da IGREJA BATISTA BÍBLICA DE FLORES – Uma Igreja de Poder – MANAUS – AM.

4 COMENTÁRIOS

  1. Tudo que acontece em nossas vidas, é com a permissão de Deus. Podemos não entender na ocasião, ficarmos frustrados, não concordar, mas com amadurecimento, em um determinado momento, entenderemos.
    Muito bom texto Pastor.

  2. De fato, faz-se necessário conhecimento para lhe dá com as ovelhas, pois sabemos que são diferenres, logo, como o nosso pastor Edson bem frisou, precisam serem tratadas de forma diferente.
    Grato Pastor Edson pelo seu pastoreio, que Deus te retribua por todo o seu esforço, e cuidado conosco.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here