25.5 C
Manaus, BR
23 de outubro de 2020
Artigos Pastores Edson e Lenir

Não terás outros deuses diante de mim

Êxodo 20:1 a 6.

1 – ENTÃO falou Deus todas estas palavras, dizendo:

2 – Eu sou o SENHOR teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão. Êxodo 20:3

3 – Não terás outros deuses diante de mim.

4 – Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra.

5 – Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o SENHOR teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam.

6 – E faço misericórdia a milhares dos que me amam e aos que guardam os meus mandamentos.

INTRODUÇÃO – Deus acabara de tirar o povo das terras do Egito, livrando-os da escravidão, e baixa um decreto: “Não terás outros deuses diante de mim”.

Inicialmente precisamos entender este decreto de Deus para o povo. Mesmo que fosse o povo de Deus, os hebreus não tinham a menor ideia do que isto pudesse representar. Eles começaram a povoar as terras do Egito através daquele episódio, muito conhecido, que envolveu a venda de José aos mercadores de escravos, pelos seus próprios irmãos, por causa da inveja.

José, quando já governador, num momento em que a seca destruía as terras e o Egito vivia uma grande fartura, providencia a vinda de seu pai e todos os seus irmãos para o Egito, dando início a grande expansão dos hebreus em terra egípcia.

Quando Faraó percebeu que os hebreus eram muitos, temendo o domínio deles sobre os egípcios, impôs uma escravidão cruel e desumana como todo e qualquer escravidão.

Deus, que havia feito uma aliança com Abraão, com Isaque e Jacó, vê o povo nesta penúria e providencia a libertação da escravatura, através de Moisés.

Agora, este mesmo Deus, dita a Moisés uma série de leis, normas e regras e dentre todas elas está: “NÃO TERÁS OUTROS DEUSES DIANTE DE MIM”.

Qual o porquê deste decreto?

PRIMEIRO: Não é ciúme.

Não é uma manifestação descontrolada de ciúme. Deus ama a liberdade e sempre quer dá-la ao seu povo.

SEGUNDO: Não é insegurança.

Também não é uma manifestação típica de insegurança. Deus é Deus sobre tudo e sobre todos.

TERCEIRO: Não é uma imposição.

Não é uma mera imposição, fruto de autoritarismo.

Qual era o projeto de Deus ?

Deus se coloca como provedor do povo e o deserto foi uma prova inconteste disto. De dia, uma coluna de fumaça protegia os caminhantes do calor causticante do sol. De noite, uma coluna de fogo aquecia o frio intenso do deserto. Se faltava comida, o maná chovia do céu e a água era só ir direto na rocha e tocá-la. Tem um fato curioso e extraordinário que é muito pouco mencionado: nem as roupas e nem os calçados se desgastaram durante os quarenta anos de marcha pelo deserto.

Jesus reedita esta proposta divina em Mateus 6.25 em diante:

25 – Por isso vos digo: Não andeis cuidadosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer ou pelo que haveis de beber; nem quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o mantimento, e o corpo mais do que o vestuário?

26 – Olhai para as aves do céu, que nem semeiam, nem segam, nem ajuntam em celeiros; e vosso Pai celestial as alimenta. Não tendes vós muito mais valor do que elas?

27 – E qual de vós poderá, com todos os seus cuidados, acrescentar um côvado à sua estatura?

28 – E, quanto ao vestuário, por que andais solícitos? Olhai para os lírios do campo, como eles crescem; não trabalham nem fiam;

29 – E eu vos digo que nem mesmo Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles.

30 – Pois, se Deus assim veste a erva do campo, que hoje existe, e amanhã é lançada no forno, não vos vestirá muito mais a vós, homens de pouca fé?

31 – Não andeis, pois, inquietos, dizendo: Que comeremos, ou que beberemos, ou com que nos vestiremos?

32 – (Porque todas estas coisas os gentios procuram). De certo vosso Pai celestial bem sabe que necessitais de todas estas coisas;

33 – Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.

Não terás outros deuses diante de mim. Onde este decreto se encaixa na nossa vida hoje? Para entendermos precisamos fazer uma reconstituição história.

PRIMEIRO: Vivíamos na escravidão do pecado, assim como o povo hebreu vivia na escravidão do Egito.

SEGUNDO: Lá, Deus providenciou um libertador: Moisés. Agora, Deus providencia outro libertador: Jesus.

TERCEIRO: O Egito é o nosso estado pecaminoso. O deserto é a nossa caminhada na fé e a terra prometida é o nosso reencontro eternal com Deus.

QUARTO: Deus continua querendo ser o nosso provedor.

Edson e Lenir de Jesus – São Pastores da Igreja Batista Bíblica de Flores – Uma Igreja de Poder – Manaus – AM.

Publicações Relacionadas

Perspectivas pós-pandemia

Francisco Araujo

Você quer mesmo o melhor de Deus para a sua vida? Então morra

Francisco Araujo

Sodoma e Gomorra e a Igreja contemporênea

Francisco Araujo

Deixe um comentário

WhatsApp chat