26.5 C
Manaus, BR
20 de setembro de 2020
Cidades

Mulheres pedem combate à violência de gênero no carnaval

combate à violência

Mulheres que representam 50 blocos de carnaval de São Paulo encaminharam à prefeitura sugestões de medidas de combate à violência de gênero no período de festa. A programação do carnaval paulistano para este ano prevê 960 desfiles. Ao todo, 865 blocos e cordões deverão ganhar as ruas. Recorde, o número representa aumento de 55,5% em comparação com o ano passado e pode dar à cidade o título de maior carnaval do país.

A comissão de mulheres, composta por 71 integrantes, destaca como fundamentais as ações de prevenção contra as agressões. O lançamento de um jingle informativo está nos planos do grupo, composto por muitas musicistas que poderiam colaborar para a criação. Há ainda a proposta de elaborar e distribuir um guia contendo informações sobre a tipificação da violência e como se pode registrar denúncia.

“Que os blocos disseminem essas informações, que possam ter essas informações à mão. Que a pessoa que esteja carregando o microfone esteja com a voz lá, para todo mundo, e saiba o que falar. Que os blocos tenham uma comunicação contra o assédio”, afirma a vocalista do Bloco Elástico, Lívia Nolla.

Outra demanda apresentada ao Poder Público é a garantia de atendimento a eventuais vítimas, por meio de policiamento e da instalação de postos que contemplem o máximo de folionas possível.

Segundo Lívia, o grupo pediu também a distribuição de preservativos femininos e masculinos ao público e que a prefeitura coloque à disposição dos foliões um número suficiente de banheiros químicos. Ela informou que, na próxima semana, deve ser realizada uma reunião com o governo local, uma vez que ainda está pendente a confirmação de como as medidas serão colocadas em prática. “A gente ainda não tem nada concreto de resposta, do que vai ser realmente feito”, disse Lívia.

Este é o segundo carnaval desde a entrada em vigor da Lei nº 13.718/2018, que trata do crime de importunação sexual. O crime é definido como prática de ato libidinoso contra alguém sem a sua anuência, “com o objetivo de satisfazer a própria lascívia ou a de terceiro”. A penalidade prevista varia de um a cinco anos de prisão.

Agência Brasil 

Publicações Relacionadas

Obras de infraestrutura avançam em todas as calhas nesse primeiro semestre no Amazonas

Fernanda Lopes

‘É prematuro falar em novo pico’, diz prefeito Arthur Neto

Fabiane Monteiro

Justiça determina que Estado e Município atuem para evitar a realização da carreta em protesto contra as medidas isolamento social

Francisco Araujo

Deixe um comentário

WhatsApp chat