RIBEIRÃO PRETO, SP (FOLHAPRESS) – Os bastidores da política em Ribeirão Preto (a 313 km de São Paulo) tinham uma certeza entre os anos 1960 e 2000: em algum momento de cada década Welson Gasparini seria prefeito. O político, que governou a cidade quatro vezes, morreu nesta segunda-feira (4) de causas naturais, aos 87 anos.

Natural de Batatais, cidade vizinha a Ribeirão, onde nasceu em 1936, Gasparini se mudou para Ribeirão aos 17 anos e, na cidade, construiu toda sua carreira política.

Foi eleito pela primeira vez em 1964 e governou até 1969. Na década seguinte, governou a cidade entre 1973 e 77. Nos anos 80, foi eleito em 1988 e governou entre o ano seguinte e 1992. Retornou para seu derradeiro mandato em 2005 e administrou até 2008, ano em que tentou, e não conseguiu, a reeleição. Além de prefeito, foi vereador, três vezes deputado estadual e uma vez deputado federal.

Entre outras legendas, foi membro da Arena (Aliança Renovadora Nacional, partido de sustentação da ditadura militar) e do PSDB –ele seguia filiado à sigla.

Político que por mais tempo governou Ribeirão Preto, Gasparini sempre foi visto como conciliador e administrador. Seu contemporâneo Antônio Vicente Golfeto (1942-2023), que atuou no instituto de economia da Acirp (associação comercial) por cinco décadas, dizia sobre Gasparini, que “se precisasse trabalhar com a luz apagada do gabinete para economizar, ele assim o fazia”.

A morte de Gasparini gerou reações de políticos da região e do vice-presidente Geraldo Alckmin (PSB), que afirmou que ele “foi um exemplo de espírito público, amor e dedicação a Ribeirão Preto e ao país”.

“Deixa o legado de uma trajetória íntegra e apaixonada como jornalista, político, professor. Que sua retidão influencie as novas gerações e sua jornada sirva de inspiração para nossa sociedade”, disse Alckmin.

O prefeito de Ribeirão, Duarte Nogueira (PSDB), afirmou que, além das realizações políticas, Gasparini, que se formou em direito, também se destacou como comunicador. “Iniciando sua carreira no rádio como locutor e animador de programas populares. Sua habilidade em se conectar com o público fez dele uma figura querida e influente na vida cotidiana dos ribeirão-pretanos.”

A família de Gasparini publicou um comunicado agradecendo as mensagens recebidas e afirmando que “entender a vontade de Deus nem sempre é fácil”. “Ele deixou em sua história um legado de amor, cuidado e zelo, mas, acima de tudo, de caráter.”

As prefeituras de Ribeirão e Batatais decretaram luto oficial de três dias pela morte de Gasparini.

O corpo será velado nesta segunda, das 18h às 23h, e terça (5), das 6h30 às 14h, no Velório da Paz, de onde partirá para o enterro no Cemitério Bom Pastor.