27.3 C
Manaus, BR
20 de junho de 2021
Bizarro Destaques

Integrantes de clube de leitura em Manaus relatam sobre magia da literatura

Muitas pessoas já ouviram falar do termo ‘clube do livro’ ou ‘clube de leitura’. O termo se refere a um grupo de pessoas que discutem e opinam em algum local, seja presencial ou virtual, sobre livros escolhidos por eles. Sarah Raqhel, Anna Priscila Pacheco, Kevin Rios e Thaís Oliveira possuem experiência em um clube do livro (no Instagram, @clube.do.livro.manaus) e relatam suas vivências no grupo.

Sarah Raqhel possui 18 anos e mora no bairro de Ouro Verde. Ela contou que a experiência com o clube do livro a fez mais fiel em terminar suas leituras. “Minha experiência com o clube do livro está sendo ótima, já escolhemos duas obras até agora: ‘O morro dos ventos uivantes’ e ‘As vantagens de ser invisivel’, eu li as duas obras muito facilmente, graças ao clube que me fez ter uma responsabilidade maior em terminar a leitura que comecei sem enrolar por meses”. 

Sarah continuou a depor. “Claro, formei minha opinião sobre cada livro, mas a troca de opiniões chega a ser muito mais interessante, os colegas do clube indicam alguns pontos que passaram batidos por mim, eles também trazem curiosidades que vão além da obra, como playlists de músicas que são citadas nos livros, filmes baseados, histórias reais por detrás da obra, e etc.”.

Sarah Raqhel finalizou a sua fala “Enfim, está sendo um estimulante muito bom pra ler cada vez mais, o que agrega mais cultura, mais educação e mais diversão na nossa vida, e também uma porta aberta para criar mais amizades que compartilham do amor pela leitura. Espero que o clube possa crescer e se consolidar ainda mais e alcançar muita gente que tem interesse, mas ainda não o conhece, porque vale a pena”.

A pedagoga Anna Priscila Pacheco, de 38 anos, mora no bairro Parque das Laranjeiras. “Conheci o Clube de leitura pelo Instagram. Sempre quis fazer parte desse tipo de clube, fiquei surpresa e feliz ao perceber que pessoas tão dedicadas e abertas estão conseguindo levar essa ideia na cidade”. E continuou a falar sobre sua experiência. “Fui no primeiro encontro mês passado, quando falamos sobre o livro O Morro dos Ventos Uivantes. Mas a conversa não se prende apenas sobre o livro, falamos sobre vários assuntos atuais, sem censuras, percebi que podemos falar abertamente sem julgamentos, coisa rara nos tempos de internet, encontros presenciais tem algo de libertador”.

Kevin Rios, de 22 anos, é morador do bairro da Compensa I e também gostou da experiência de entrar em um clube de leitura. “Tive uma experiência bastante positiva com o grupo, entrei no clube em meados de novembro, já tentava retomar o hábito da leitura há alguns meses, mas sempre acabava desistindo da leitura, até conhecer o clube do livro. Temos pessoas de diversas faixas etárias, o que proporciona um diálogo – sobre o livro, ou não – e trás visões diferentes sobre a mesma obra – até o momento duas foram debatidas em reunião: Morro dos Ventos Uivantes e As Vantagens de Ser Invisível – além de prosas agradáveis sobre outros temas como vida pessoal, profissional e afins”.

Kevin contou sobre o Kindle que comprou para acompanhar as leituras do clube e também recomendou a experiência de estar em um clube do livro para as pessoas. “Inclusive, entrei tanto no embalo da leitura que na última Black Friday acabei comprando um Kindle, li os dois livros que já foram discutidos usando o aparelho e pretendo ler o deste mês nele novamente. Em resumo, aos que desejam recomeçar ou começar o hábito da leitura, o clube do livro pode ser uma boa, ver pessoas comentando e debatendo sobre um livro que você está lendo te dá forças pra continuar a obra e/ou outras indicadas”.

Thaís Oliveira, de 23 anos, é do bairro de Petrópolis e começou a participar do clube por curiosidade. “Bom, eu entrei no grupo dia 30 de novembro após ver o Insta do clube do livro por acaso no feed do insta do trabalho. Dessa forma, perdi o encontro do mês de novembro, porém acompanhei de perto o grupo no WhatsApp e fiz a leitura do livro de dezembro. Ontem participei do meu primeiro encontro que foi on-line por causa do lockdown”. 

Thaís continuou a falar sobre sua experiência dentro do clube. “Ter essa experiência é a realização de um sonho, pois sempre quis participar de um ‘clube do livro’, mas só tinha visto isso em filmes! O pessoal do grupo conversa bastante e são todos muito simpáticos e carismáticos, então me sinto acolhida. De vez em quando surge um meme sobre leitura que a maioria se identifica (risos). Enfim, são várias pessoas diferentes, mas com particularidades que acabam se encaixando. Acredito que está funcionando muito bem. A Nete e a Rhayza criaram algo tão legal e único que como elas dizem: ‘é nosso’”.

Empolgada pelo próximo encontro para discussão da leitura, Thaís acrescentou. “No encontro cada um tem a oportunidade de falar e de ouvir. Ver que todos estão com aquele mesmo objetivo de ler o livro do mês para fazer essa troca e compartilhar no dia do encontro é motivador demais! Estou amando. Não vejo a hora de participar do encontro presencial”.

Publicações Relacionadas

UGPE: apresenta projetos para programa socioambiental ao CAF

Jeanne Gade

Governo do Amazonas socorre 2.040 famílias vulneráveis de Caapiranga com Auxílio Estadual Enchente

Shayenne Medeiros

PM Rodoviária de SP apreende mais de 5 toneladas de maconha

Victória Cavalcante

Deixe um comentário

WhatsApp chat