24.5 C
Manaus, BR
7 de maio de 2021
Destaques Saúde

Fiscais interditaram 19 balsas que promoviam festas e aglomerações neste ano

A escalada de casos e mortes pela Covid-19 não foi suficiente para evitar casos de aglomeração e festas em embarcações no Amazonas. No último domingo (18), a Central Integrada de Fiscalização (CIF) interditou a balsa Anna Karoline II, antes que um passeio com mais de 800 pessoas fosse iniciado a partir de Manaus. Com essa interdição, o número de barcos embargados por descumprimento de medidas restritivas da pandemia no estado chegou a 19 apenas neste ano.

Desse total, 11 embarcações transportavam mais passageiros que o permitido pelo Governo do Estado e oito violavam normas sanitárias, como distanciamento, uso de álcool em gel e máscaras. As ações da CIF já abordaram 252 embarcações desde o começo do ano. Nesse período, 44 irregularidades foram identificadas pelas autoridades. Além da CIF, a Capitania dos Portos e a Agência Reguladora dos Serviços Públicos Delegados e Contratados do Estado do Amazonas (Arsepam) participam da fiscalização fluvial.

Durante a pandemia de Covid-19, o transporte pelos rios do estado de Amazonas chegou a ser proibido, mas voltou a ser permitido gradativamente em 2021, com restrições. Neste momento, as embarcações só podem transportar passageiros com até 50% de sua capacidade máxima e devem seguir as normas sanitárias, disponibilizando o uso de álcool em gel e permitindo que os tripulantes se mantenham distantes.

Os tradicionais passeios pelas praias e rios do estado só podem acontecer desde que sejam contemplativos, sem que ocorram paradas. A medida visa evitar o contágio de indígenas e povos ribeirinhos.

No entanto, segundo o diretor-presidente da Arsepam, João Rufino, essa norma não está sendo respeitada. “Nós percebemos que, nas últimas duas semanas, houve um aumento da demanda por esses passeios”, conta. “No Amazonas, as pessoas não estão entendendo que a flexibilização é gradativa. Que algumas coisas estão sendo permitidas, mas não está tudo liberado. Há essa falta de consciência também, que acaba gerando esse tipo de situação. Se não houvesse demanda por isso, certamente não haveria esse espaço”, completa Rufino.

A interdição da embarcação Anna Karoline II foi motivada por uma denúncia ainda no sábado (17) à noite, já que a organização do passeio tinha divulgado o evento com atrações musicais e sem aviso sobre a capacidade do barco. A fiscalização chegou por volta das 8h de domingo no porto Manaus Moderna.

Com informações agência amazonas. Foto: Divulgação Assessoria de imprensa

Publicações Relacionadas

Deputado Wilker pede que governador Wilson Lima reflita sobre seus gastos desnecessários e ajude famílias do Amazonas

Victória Cavalcante

Wilson Lima recebe proposta de reabertura gradual do comércio

Flavia da Hora

Governo do Amazonas, por meio da Seas, articula ajuda para Santo Antônio do Içá devido à enchente

Julia Maria

Deixe um comentário

WhatsApp chat