23 C
Manaus, BR
2 de março de 2021
Saúde

‘Dia Mundial do Diabetes’: papel da família na prevenção da doença é destacado

diabetes

Celebrado no dia 14 de novembro, o ‘Dia Mundial do Diabetes‘ alerta a população acerca dos problemas associados à doença. De acordo com a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), cerca de 13 milhões de pessoas vivem com diabetes no Brasil, representando 6,9% da população do país.

Neste ano, com o tema ‘Família e Diabetes‘, a campanha destaca a importância da presença dos familiares para a prevenção e controle da doença. Uma pesquisa recente do Ministério da Saúde junto ao Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) mostra que o diagnóstico da doença cresceu 24% entre brasileiros com 18 anos ou mais, de 2008 a 2018.

De acordo com a endocrinologista e consultora médica do Sabin, Dorothy Carriço, a pesquisa mostra que o diabetes não atinge apenas os mais velhos.

“Além do diabetes já ser uma epidemia mundial, o problema está atingindo pessoas cada vez mais jovens, e isso é muito grave. Hoje em dia, a gente faz diagnóstico de Diabetes tipo 2 em pessoas com 20, 30 anos de idade, devido a alimentação errada e sedentarismo desde a infância, além da questão genética”, ressalta.

Os principais problemas associados ao diabetes são a alta mortalidade por doenças cardiovasculares (infartos e insuficiência cardíaca), AVC (derrame), complicações específicas da doença, como insuficiência renal, perda da visão, alteração de sensibilidade nos membros inferiores e o que pode levar a úlceras e amputações.

O diabetes atinge 425 milhões de pessoas no mundo todo e desse total, mais de um milhão são crianças e adolescentes com diabetes tipo 1, que é uma doença crônica não transmissível, hereditária, que concentra entre 5% e 10% do total de diabéticos no Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde. O tipo 1 aparece com mais frequência na infância ou adolescência, mas os adultos também podem ser diagnosticados.

Também existe o diabetes tipo 2 que ocorre quando o corpo não aproveita bem a insulina produzida. O diabetes tipo 2 é relacionada ao sobrepeso, sedentarismo, triglicerídeos elevado, hipertensão e hábitos alimentares inadequados, de acordo com o Ministério da Saúde.

A endocrinologista Dorothy Carriço diz ainda que há como driblar ou controlar a doença com bons hábitos, principalmente o tipo 2. “É totalmente evitável se o paciente tiver um estilo de vida saudável, com alimentação adequada e atividade física diária”, disse.

“A doença, na fase inicial, é muito assintomática, não tem sintoma nenhum. Quando vai evoluindo a glicose, aí os sintomas vão aparecendo, entre eles muita sede, muita fome, o paciente passa a urinar mais, e nas mulheres aumenta o índice de candidíase por conta do açúcar no sangue. Na fase mais grave, começa até mesmo a perder peso, quando a glicose já está bastante alterada”, explicou a endocrinologista que o diabetes requer muita atenção e acompanhamento, visto que é uma doença crônica e silenciosa.

Com informações da assessoria

Publicações Relacionadas

familiares denunciam falta de ambulância em maternidade do Galiléia

Redacao

OMS registra recorde de novos casos de coronavírus no mundo

Francisco Araujo

Projeto ‘Navegar Transforma’ une canoagem com habilidades de sala de aula em Presidente Figueiredo

Conceição Melquiades

Deixe um comentário

WhatsApp chat