Calúnias, difamação e mentiras desgastaram o titular da Seduc, Luiz Castro, que anunciou seu afastamento nesta manhã

Luiz Castro_ Seduc-Governo do Amazonas
Imagem: reprodução

“Talvez por eu ser um político com mais de 30 anos de trajetória, e ser o único secretário do Governo liderado por Wilson Lima com uma trajetória extensa, que eu me tornei o alvo preferencial de todo tipo de ataque, de calúnias, de difamação e de mentiras, em blogs, em WhatsApp. Nós ficamos expostos esse tempo todo aos ataques e tendo que gastar parte da nossa energia nos defendendo dessas difamações e dessas calúnias e dessas mentiras” proferiu Luiz Castro, em uma transmissão ao vivo, na manhã desta quarta-feira (28), pelo Facebook do Governo do Amazonas, no qual confirmou o pedido de exoneração da Secretaria de Educação do Estado do Amazonas (Seduc) onde ocupava a pasta como secretário. Luiz Castro informou que vai deixar o cargo devido aos problemas de saúde, que se agravaram devido o desgaste físico adquirido nos últimos meses.

Luiz Castro revelou que está com arritmia cardíaca e que precisa cuidar da saúde. “Neste momento a minha família é muito importante pra mim. […] Eu vou me afastar também para cuidar da minha saúde. Cuido da minha saúde pela minha esposa, pelos meus filhos e pelos meus amigos” a afirmação foi pronunciada após Luiz Castro explicar que vai deixar a pasta para que as denúncias de corrupção sejam investigadas.

“Eu percebi que era atacado por contrariar interesses, por contrariar aqueles que não querem que o Amazonas mude, mas isso também acabou me afetando do ponto de vista pessoal. Primeiro, por me tirar o tempo e a energia necessários para eu me dedicar totalmente ao trabalho, para me defender das calúnias, dos ataques, das acusações. E segundo, porque afetou minha saúde, já debilitada por conta de um infarto que sofri no final ano passado”, revelou Luiz Castro manifestando que as acusações lhe deixaram bastante constrangido e abatido.

Para ele, a denúncia de irregularidades foi motivada por desforra da parte do empresário Francisco Dantas, dono da Dantas Transportes, que não cumpriu o contrato conforme o combinado e teve desconto do pagamento nas faturas o serviço não prestado.

“Eu vim para colaborar com o Governo e com a Educação. E eu entendo, que neste momento, deve estar em primeiro lugar a verdade. Eu não vou me defender porque não preciso me defender, eu apenas quero que a verdade aflore e, vou ajudar a trazer os elementos para mostrar que em nenhum momento eu coadunei, apoiei ou fui omisso diante de irregularidades na área de transporte ou em qualquer outra seara administrativa. Quem me conhece de verdade, sabe que eu não conluio com desvio de finalidade e pagamento de propina. A minha saída da Seduc vai mostrar a minha isenção e eu não tenho o que temer”, enfatizou ele que disse ainda que “a verdade deve estar em primeiro lugar”.

Luiz Castro informou que desde o dia 7 de agosto já havia solicitado à Seduc que investigasse o caso de denúncias de desvios de finalidade em licitações da pasta, e isso se deu antes mesmo do Ministério Público de Contas iniciar as investigações.

Ele disse ainda que a Seduc é “uma secretaria complexa” e que desde o início teve visão dos problemas “herdados de cinco secretários em dois anos”, e que a Secretaria vai necessitar de um longo percurso para obter condições efetivas de trabalho. No entanto, frisou que não vai acusar nenhum ex-gestor, nem tão pouco nenhum ex-governador.

Para ocupar o comando da Seduc, o secretário executivo Luís Fabian responde pelo órgão até que o Governador nomeie um novo secretário.

Entrevista com o secretário de Educação

No dia 4 de junho, o então secretário de Educação do Estado, Luiz Castro, participou ao vivo do programa de entrevista, Amazônia Press no Ar, transmitida pelas redes sociais e pelo programa de rádio, frequência FM 89,3. Na ocasião, ele relatou que novas parcerias estavam sendo implantadas no sentido de promover mais qualidade de ensino também para os estudantes indígenas.

Havia acontecido no mês anterior muita manifestação por parte dos professores e uma greve que durou 27 dias. Luiz Castro reconheceu o prejuízo causado aos alunos da rede estadual, mas informou que as aulas seriam repostas e que o complemento e reposição do conteúdo seriam realizadas aos sábados, na tentativa de minimizar o déficit provocado pelos dias sem aula.

Houve muita interação no programa por parte dos internautas que queriam saber sobre a convocação dos concursados. “Todos os aprovados serão convocados, sem dúvida, no entanto depende de outros setores, dos quais, possuem um ritmo próprio na condução do processo, disse ele, acrescentando que esse é o chamamento mais rápido entre os concursos realizados no Amazonas.

Biografia

Luiz Castro confessa ter sido negligente com sua saúde. “Há muitos anos não tenho me cuidado”, mas ressalta que sua “biografia não vai morrer”.

De fato, ele fez história no Amazonas. Luiz Castro é natural de São Paulo, chegou no Amazonas com 19 anos e foi morar no alto Juruá, no município de Envira, no interior do Amazonas, onde trabalhou como agricultor e também atuou como conselheiro comunitário, além de professor. Aos 23 anos foi eleito para a prefeitura de Envira e tornou-se o mais jovem prefeito do Amazonas, onde permaneceu por dois mandatos.

Em 1999 foi eleito deputado onde exerceu cinco mandatos no parlamento estadual.

No pleito de 2018, Luiz Castro concorreu a uma vaga no Senado, mas foi derrotado pelo seu concorrente, Eduardo Braga (MDB), que atingiu maior número de votos. Neste ano, sua saúde já estava debilitada e ainda durante a campanha sofreu um infarto e se recuperou.

No início deste ano, o governador Wilson Lima, logo após a posse o nomeou para o comando da Seduc onde ficou até terça-feira (27), quando solicitou sua saída da pasta para cuidar da saúde pontuando que “tenho certeza que Deus está comigo”.

Por Conceição Melquíades

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here