23 C
Manaus, BR
3 de março de 2021
Destaques Especiais

Amazonense supera período de sofrimento com prática de amigurumi

O Amazônia Press conversou com a manauara Danea Karoline Tavares, quem vai fazer 28 anos no mês de fevereiro de 2021. Ela faz prática da técnica japonesa para criar bichinhos de pelúcia, amigurumi. Danea contou para o portal um retrato de sua história antes de saber da técnica.

Relato de superação

“Eu comecei a prática do crochê em meados de 2003, quando tinha 10 anos. Minha mãe trabalhava bastante e para que eu não ficasse na rua ela me pôs em vários cursos de artesanato oferecidos pelo Cetam lá em Tefé”, Danea começou a contar parte de sua vida. O crochê é o processo de criação de tecidos usando a agulha de crochê e algum fio contínuo como lã, fio de algodão e seda.

Nesse tempo em Tefé, a residência de Danea não possuía televisão. Ela também não sonhava com celular e internet. Danea fazia cursos de bordado, desenho, pintura e crochê no Centro de Educação Tecnológica do Amazonas (Cetam). Era a estudante mais nova e a que tinha mais dificuldade, sempre era a mais atrasada dos projetos. Porém, também era a que mais persistia. Poucas pessoas concluíram, mas Danea concluiu o de crochê e de bordado.

“Os anos passaram e eu acabei deixando esse talento adormecer, com a crença de que crochê era para idosos e fui seguindo a minha vida”, relatou Danea. Por causa de traumas e pressão da vida adulta, ela passou por momentos delicados e distúrbios alimentares no começo de sua segunda década de vida. Sua família e seus colegas de trabalho a ajudaram a enxergar que precisava de ajuda profissional, então Danea começou o tratamento. “Durante esse tempo conheci meu marido que me ajudou muito a passar por tudo isso. Nos casamos, tivemos nosso filho e no início da pandemia eu fui dispensada do meu emprego. Logo depois meu marido também”, completou ela. Danea trabalhava como fiscal de caixa no comércio de 2016 a 2019.

Danea e o marido recebiam seus seguros e, com isso, não estavam adeptos para qualquer auxílio emergencial. Os dois tentaram diversas formas de ganhar dinheiro pela internet, como o marketing digital, já que a ajuda ia terminar e eles não teriam alguma renda. Com a vida financeira instável, a mente dela passou a entrar em colapso e Danea voltou a ter pensamentos negativos.

“Com toda a crise da covid-19, trancada em casa, sem dinheiro, sem nada, recebendo ajuda dos familiares para sobreviver, eu pedi ajuda a Deus, que iluminasse a minha mente naquele momento escuro”, disse Danea. “E foi então que, assistindo um vídeo no YouTube, eu vi uma propaganda sobre amigurumi. Essa foi a resposta, eu conhecer, pesquisar e assistir várias coisas relacionadas. Ainda não tinha dinheiro para comprar os materiais, mas eu achava que se tentasse eu conseguiria fazer. Até que minha mãe me emprestou R$ 200,00 para eu começar a fazer”.

E, em setembro de 2020, Danea começou a prática do amigurumi vendo aulas no YouTube. Montou seu Instagram (@amigurumi_manaus) do zero. Em outubro começou a fazer para vender. Em novembro, tinha encomendas para o mês todo e para dezembro.

Danea hoje em dia

Atualmente, Danea se sente melhor. “Eu estou bem psicologicamente, estou fazendo terapia, faço de casal também, estou bem. Quanto a vida profissional eu estou super feliz porque eu me redescobri, me reencontrei”. Ela ama o que faz e seu foco total é crescer mais nessa área. Embora não se considere rica, acredita que consegue ganhar mais do que ganhava quando trabalhava no comércio.

Danea também dá dicas para pessoas que querem começar a ganhar uma renda extra por meio do artesanato em crochê. As dicas estão no seu Instagram e no seu Tik Tok (@mamaenerd). Ela incentiva seus seguidores a empreender também, pois acredita que todo mundo pode fazer o que quiser e pode ver algo novo e ver oportunidade em seus talentos.

Publicações Relacionadas

Fotos de pia em escola estadual de Barreirinha causam indignação em página de deputado

Luciana Silva

Serviço médico infantil continua parado no governo Wilson Lima

Flavia da Hora

Moradores da Comunidade da Sharp sofrem com forte chuva

Flavia da Hora

Deixe um comentário

WhatsApp chat